cela me rassure d'avoir la confirmation qu'il est des choses qui demeurent intactes * philippe besson

one of the secrets of a happy life is continuous small treats * iris murdoch

it's a relief sometimes to be able to talk without having to explain oneself, isn't it? * isobel crawley * downtown abbey

carpe diem. seize the day, boys. make your lives extraordinary * dead poets society

a luz que toca lisboa é uma luz que faz acender qualquer coisa dentro de nos * mia couto





15.9.08

amo-te lisboa (1)


... todos os recantos desta cidades têm uma história...



... havia talvez um ano que não ia passear pelo chiado, durante o dia e, nessa manhã, o telefonema da magarça para almoçarmos juntas levou-me até lá. almoçamos e ao passar em frente ao centro comercial do chiado ainda pensei: entro ou não entro, e decidi-me pelo não. mas ao passar mesmo em frente acabei por encontrar duas antigas colegas e resolvi descer para espreitar. vi diferenças no andar de cima, mas nada de anormal. desço a escada rolante, paro em frente às novidades. vou visitando as mesas, mais atenta às diferenças do que aos livros em si. passeio-me por ali, de um lado para o outro. passo pelo pequeno corredor que liga as duas salas, vinda das ciências humanas, olho para a esquerda e vejo uma entrada para o auditorio que me pareceu mais perto de mim do que era normal. dirijo-me até lá, olhos posto nas janelas que dão para a rua do crucifixo... e de repente viajei por tempos antigos... o meu computador estava ali, mais à frente eram os discos, meses depois a minha secretádria passou para a segunda janela, onde actualmente é o espaço infantil. os "meus" pedidos de clientes todos arrumados mesmo ao lado. o chiado nos dias de chuva com as gotas a baterem na janela mesmo ali ao lado, o candeeiro aceso às 8h da manhã. caixas e mais caixas de pedidos de clientes, encomendas para bibliotecas, universidades, escolas e empresas... chiado nos dias de sol, os pombos no parapeito (menos bom), o burburinho das entregas lá em baixo, de manhã, o prédio da frente, sombrio, a aconchegar os dias de chuva... e o charme sem fim daquelas janelas... a relembrar ainda que se o meu estado civil não é o mesmo há 3 semanas é porque algures naquela sala ele me disse "je t'aime"... tudo destruido (literalmente) numa noite...

3 comentários:

AnaMar disse...

Adoro as cores, a escrita e partilho desta paixão por Lisboa.

Virei aqui mais vezes, para me reencontrar nesta cidade que amo.


Abraço

J. disse...

;)

obrigada anamar ;) e um prazer vê-la passar por aqui!

Anónimo disse...

m. bebé, como eu adoro ler as tuas memórias.
lili