cela me rassure d'avoir la confirmation qu'il est des choses qui demeurent intactes * philippe besson

one of the secrets of a happy life is continuous small treats * iris murdoch

it's a relief sometimes to be able to talk without having to explain oneself, isn't it? * isobel crawley * downtown abbey

carpe diem. seize the day, boys. make your lives extraordinary * dead poets society

a luz que toca lisboa é uma luz que faz acender qualquer coisa dentro de nos * mia couto





4.7.17

só para não dizer que isto acabou


e porque nem todos são meus amigos no facebook que é onde eu conto a minha vida agora (lingua de fora)
 
paris (em maio) foi

bibliotecas. bibliotecas. bibliotecas. bibliotecas. livrarias. corvos. jardins. leituras. supermercados. passeios a pé. o sena. os cais. crepes. caramelos de manteiga salgada. quiches no parque. moules & frites. restaurantes com colegas. pessoas bonitas. encontros maravilhosos. oportunidades. sol. chuva. calor. dormir com a janela aberta. prédios charmosos. vistas deslumbrantes. foi o cliché e foi a brisa dos lugares na pele. o invisível e o indizível.
duas semanas a andar nesta cidade como se sempre tivesse vivido aqui. contra todas as expectativas.
e agora é tempo se voltar à grande alface porque paris também foi ter saudades.
olho pela janela e vejo a torre a piscar. penso no caminho para o trabalho, de manhã. uma estação do metro de passy a bir-hakeim. a torre eiffel a fazer parte deste percurso tão curto, generosamente pousada na paisagem, nos dias dos parisienses e ainda assim a merecer fotografias através do vidro. como esta.
chegando a lisboa vou dar um beijinho à torre de belém. mais baixinha. achatada. com os pes de molho, à beira do rio, a olhar para o horizonte e a ameaçar desatracar a qualquer instante. por agora sou eu que levanto a âncora. mas antes, uma breve passagem pelo mediterrâneo.
à bientôt paris!
tu me donnes des envies...

Sem comentários: