cela me rassure d'avoir la confirmation qu'il est des choses qui demeurent intactes * philippe besson

one of the secrets of a happy life is continuous small treats * iris murdoch

it's a relief sometimes to be able to talk without having to explain oneself, isn't it? * isobel crawley * downtown abbey

carpe diem. seize the day, boys. make your lives extraordinary * dead poets society

a luz que toca lisboa é uma luz que faz acender qualquer coisa dentro de nos * mia couto





18.3.08

ontem passei o dia em lyon, tive que ir ao consulado de portugal (que fica a 3h da minha casa) para poder fazer o bilhete de identidade. agora demora entre 15 dias e 3 semanas porque antes tinha que esperar 3 meses : « sabe é que vai a portugal para fazer e depois tem que vir para cá ». fui atendida por uma senhora chamada elisabete jorge, que imediatamente me fez esboçar um sorriso por causa da escritora de livros policiais elisabeth george é que havia nesta senhora qualquer coisa de livro policial… o excesso de pintura, a forma vagarosa de falar, só faltavam as unhas grandes e pintadas…

… este consulado, que tem por objectivo representar o nosso país no estrangeiro, tinha por palavra ou frase de ordem “ah, não sei, isso é preciso ver com lisboa” e foi assim que respirei fundo (baixinho) umas dez vezes e me vim embora… afinal fiz 3 horas de carro para ir a lyon, mas bastavam-me 2 para ir, de avião, a lisboa e obter todas as informações... e foi assim que mal entrei no café mais próximo bebi um bagaço de penalti…

mas no fundo elas foram muitos simpáticas porque quando me vim embora a elisabete jorge disse-me com um piscar de olho que era provável que eu recebesse o bilhete de identidade dali a 15 dias ou 3 semanas porque ela tinha escrito no meu processo « urgente ». quanto à senhora do registo civil as coisas terminaram bem, porque há frases assim que rematam quase tudo “se precisar de mais algum esclarecimento não hesite”

7 comentários:

Alexa disse...

Gostei muito deste relato da vida quotidiana ;)
E, ainda mais, da comparação com a escritora policial... dá um toque de suspense àquilo que viveste ;)
Bjs

Catarina disse...

Já eu, muito mais básica, confesso, fiquei rejubilante quando descobri que tu eras tu. (foi Lyon que te traiu, não conheço assim tanta gente a viver no estrangeeeiro)*

Catarina disse...

bem, se calhar tu, apesar de seres tu, não és o tu que eu pensava que eras mas, seja como for, a neve fica-te bem. :)

J. disse...

alexa, vou ver se faço mais relatos do quotidiano ;)

benvinda catarina! acho que eu nao sou o eu que tu pensas :)

ainda bem que gostaste da neve... so podias gostar... ;)

T disse...

Adoro essa escritora:)
Beijinhos J

Júlia Moura Lopes disse...

:-)

olá!

"tá-se bem aqui"

vocês hoje só encontram gente chic.

:-)

também gostei do relato, acrescento que nao se preocupe, pois no Porto demora os mesmos dias!!

J. disse...

t. nunca li nada da elisabeth george, o que sei desta escritora é através dos seus leitores... vou espreitar melhor a fotografia da tua estante de prémios para ver se a descubro la pelo meio ;)

julia, bem vinda ao azul turquesa que agora anda mais negro do que outra coisa ;)

é verdade que a a burocracia é assim por toda a parte, o que faz a diferença é o tratamento que lhe dao ;)